sábado, 6 de dezembro de 2014

dos diários

#
eu hei-de voltar
na saudade de setembro
e direi adeus aos pássaros
enquanto as árvores se deitam.

#
foi em setembro
quando os pássaros se levantavam
e seguiam o céu
na sua saudade do sul

o mar
o mar mentia nos meus dias
e tu passavas
o teu sorriso primeiro
depois o teu olhar
mais tarde a tua vida

e as palavras sublimes!
qualquer palavra uma desconhecida ternura
e o meu silêncio caía
caía

#
havia cantos de glória
naquele quarto sombrio
e um recado da eternidade
deixado
no mesmo canto
onde te ouvia

tenho a polaróide
do teu sorriso mais eterno
tenho num vidro antigo
pedaços de um dia de chuva
poeira daquele segundo
em que disseste “amo-te”

ainda saio para a rua
com essa parede branca nos olhos
o mundo ainda cabe todo
na mancha de tinta
que a tua mão lá deixou



Sem comentários:

Enviar um comentário